Tapa-buracos na Ciclovia

    Muitos buracos e a iluminação péssima da ciclovia de Rolândia, que já tem mais de 15 anos, tornam os ciclistas que a utilizam muito vulneráveis a assaltos. A falta de segurança e as más condições do local são reclamações frequentes dos usuários. A situação da ciclovia foi assunto até na reunião do Plano Diretor na quinta-feira (11). “Andamos de bike pela ciclovia e vamos até Arapongas. As diferenças entre as ciclovias das duas cidades é gritante”, revoltou-se uma moradora de Rolândia, que preferiu não identificar-se.
    Os 5,5 km de ciclovia devem receber nos próximos dias uma operação de tapa-buracos. Essa medida será paliativa, já que a ciclovia aguarda ser contemplada em um projeto de mobilidade urbana dentro do PAC (Programa Avançar Cidades). “Ela está com um problema de estreitamento, porque o mato invadiu e em outros pontos ela tem buracos”, explicou Marcos Santucci, secretário de Serviços Públicos que acumula interinamente a pasta da Infraestrutura. O tapa-buracos na ciclovia já está na programação de serviços da secretaria, mas o prazo para a realização não foi estimado pelo secretário. 
    Revitalização    O projeto da revitalização completa da ciclovia será entregue até maio, como adiantou a secretária de Planejamento, Catarina Schauff. “Vamos inserir os projetos para a captação de recursos do PAC. A Caixa precisa analisar e dizer que está ok, mas o município já foi analisado como um possível candidato a receber o recurso”, explicou. No entanto, a aprovação e liberação dos recursos devem levar meses, para que só então a obra seja iniciada. Se o município conseguir o projeto, toda a extensão da ciclovia receberá asfalto novo e iluminação em LED. 
    O secretário explicou que a opção pelo tapa-buraco e não pela micropavimentação no local se justifica porque se o município receber as obras na ciclovia, incluindo a pavimentação, o trabalho feito anteriormente será perdido. “A micropavimentação seria um dinheiro jogado fora”, opinou. 
    Além da ciclovia, as outras partes do projeto contemplam calçadas com acessibilidade nas áreas institucionais do município e novos pontos de ônibus pela cidade com informações e indicações dos horários do transporte público. Além disso, estão previstos três terminais urbanos para ônibus intermunicipais com banheiros, lanchonetes e bicicletário na Avenida Presidente Vargas (um próximo ao lago San Fernando, outro próximo ao CRAS San Fernando e outro próximo à saída para Londrina). O montante do financiamento para todas essas obras soma mais de R$ 6 milhões.