Ciclo Veganos: saudável, turístico e sustentável

Casal de Campinas, que está percorrendo territórios de bike, conhece Rolândia em uma de suas paradas; projeto é chegar na Patagônia e depois subir ao Canadá, por enquanto

O casal Michelle Lima Peres (34) e Douglas Lima Peres (41), do Projeto Ciclo Veganos, fez uma de suas paradas de bike em Rolândia. O rolandense Nilson Giraldi, que é motociclista, convidou e hospedou o casal e seu pet, Lima Bento Lima Peres (04), após conhecê-los em um posto de gasolina e se interessar pelo projeto. Eles chegaram no sábado (09) e partiram na quinta (14). O casal conheceu vários rolandenses envolvidos no turismo e veganismo e até visitaram a Chácara Marabu. Em Rolândia, o trio (Douglas, Michelle e Bento) conversou com a reportagem do JR no Kayera’s Cafés Especiais, onde comeram pastel de carne de jaca.

O objetivo dos aventureiros é chegar até Ushuaia (na Patagônia Argentina) que está a 6 mil quilômetros de Campinhas, a cidade onde eles moravam até duas semanas atrás. Até agora, eles percorreram 500 km. Passando pela costa do oceano Pacífico e visitando mais países, eles chegarão ao destino final: o Canadá.

Há dois anos, o casal de Campinas, que está junto há cinco, planejava se mudar para o Canadá. Quando eles se tornaram veganos há um ano, após assistirem os documentários “Meet you meat” e “What the health”, encontraram um novo projeto mais adequado ao seu estilo de vida: o veganismo.

Douglas era chefe de cozinha e teve dificuldade para conciliar o trabalho e a vida como vegano. Já Michelle era designer gráfica e trabalhava com mídias sociais, mas se sentia sobrecarregada e estressada. Parou, escreveu um livro, que ainda não foi lançado, e os dois começaram um novo planejamento. Michelle conta que questionou o marido do por que eles não poderiam conhecer vários lugares ao invés de escolher apenas um. “Ele gostou da ideia e passamos a planejar o Ciclo Veganos”, resumiu.

Em pesquisas sobre o ciclo turismo, se empolgaram em conhecer o mundo de bike na companhia do pet. “Então pensamos: vamos colocar a bandeira do veganismo no ciclo turismo? Era algo inédito”, contou Douglas. A bike, escolhida por questões financeiras, saúde e pela sustentabilidade, veio da oficina de um bicicleteiro de 70 anos em Campinas. “É uma montain bike da década de 90 com quadro de ferro”, contou o chefe de cozinha, que ainda aprendeu a fazer pequenos consertos.

Depois de andar um mês pela cidade e ir até a capital paulista de bike no último Natal, em 18 de fevereiro, eles deixaram Campinas, passaram por diversas cidades no interior de São Paulo até chegar em Londrina e, depois, em Rolândia. O casal contou que sempre recebe apoio das pessoas e de outros ciclistas, que compartilham da mesma energia positiva. “Acreditamos na força do universo e nas energias boas que carregamos, elas são nosso suporte”, declarou Michelle. Eles ainda querem desmistificar que o Brasil é perigoso e inseguro, pois não tiveram problemas no trajeto.

O casal não fez preparo físico, mas diz que a alimentação saudável ajuda no bem-estar. “Fazemos apenas uma refeição, ao longo do dia, é só hidratação e frutas, comemos muita banana, principalmente, por causa das cãibras”, revelou Michelle. “Só sentimos dores na primeira semana, agora não sentimos mais dor nenhuma”, acrescentou. Bento vai em uma caixa de hortifruti na parte de trás da bike, com as adaptações feitas pelos donos.

Até chegar ao Canadá, eles calculam três anos pedalando. E depois, planejam partir para novas descobertas em outros continentes. “Não pretendemos mais se fixar em algum lugar. Ficamos presos demais e agora queremos explorar”, ressaltou Michelle. É possível acompanhar as aventuras do casal pelo Instagram: @cicloveganos.